Petrobras . Blog Fatos e Dados

home

Blog Fatos e Dados

home

Rescindimos contrato para construção e montagem da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados III

19.Dez.2014

Rescindimos o contrato para construção e montagem da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados III – UFN III, em Três Lagoas (MS), em razão do descumprimento do contrato por parte do Consórcio UFN3 (formado pelas empresas Sinopec e Galvão Engenharia). As tratativas relacionadas à rescisão já foram iniciadas.

Ressaltamos que estamos em dia com todos os pagamentos e compromissos previstos no contrato. Estamos atentos às consequências da inadimplência do Consórcio UFN3 com trabalhadores e fornecedores e estamos tomando todas as medidas ao nosso alcance para que o consórcio cumpra com suas obrigações legais.

As obras de construção da UFN III encontram-se 82% concluídas. Já estamos refazendo o cronograma visando garantir a conclusão do empreendimento no menor prazo possível.

A UFN III produzirá anualmente 1,2 milhão de toneladas de ureia e 70 mil de toneladas de amônia. A Unidade de Fertilizantes atenderá preferencialmente os mercados dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Paraná.

Veja mais

Esclarecimento: obras da Refinaria Abreu e Lima

19.Dez.2014

esclarecimento-imprensa-notebook.jpg

Leia o esclarecimento que divulgamos ontem (18/12/2014):

Com relação à matéria veiculada no Jornal Valor Econômico de hoje, 18/12/2014, sob o título “Diretoria ignorou perdas em obras”, a Petrobras informa que:

As proposições levadas à Diretoria em fevereiro de 2009 pelos então Diretores de Abastecimento (Paulo Roberto Costa) e de Serviços (Renato de Souza Duque) foram analisadas técnica e estrategicamente. A Diretoria não aprovou a implantação do projeto da RNEST com prejuízo. Esta Diretoria era composta por José Sérgio Gabrielli de Azevedo (Presidente), Guilherme Estrella (Diretor de Exploração e Produção), Paulo Roberto Costa (Diretor de Abastecimento), Maria das Graças Silva Foster (Diretora de Gás e Energia), Jorge Luiz Zelada (Diretor da Internacional), Almir Guilherme Barbassa (Diretor Financeiro) e Renato de Souza Duque (Diretor de Serviços).

Os resultados das três licitações citadas na matéria, que fazem parte das obras da RNEST, foram aprovados por esta Diretoria em fevereiro de 2009, quais sejam, as licitações para a construção da estação de tratamento de água e para a construção de tanques foram aprovadas em 12/02/2009, e a licitação para implantação das edificações foi aprovada em 20/02/2009. Na ocasião, no ato da aprovação, a Diretoria estabeleceu o limite de investimento total para a RNEST de US$ 10,543 bilhões, o que resultaria em um VPL (valor presente líquido) sem prejuízo e, para tanto, que fossem adotadas medidas de redução de custos.

Assim, ao invés de aprovar as proposições como encaminhadas para a Diretoria em fevereiro de 2009 pelos Gerentes Executivos de Abastecimento Corporativo, a geóloga Venina Velosa da Fonseca, e de Engenharia, o engenheiro Pedro José Barusco Filho, a Diretoria aprovou com modificações, conforme registrado no e-mail da SEGEPE (Secretaria Geral da Petrobras), datado de 13/03/2009.

As modificações definidas, em fevereiro de 2009, pela Diretoria foram incorporadas nos documentos os quais foram assinados pelos Gerentes Executivos de Abastecimento Corporativo (Venina Velosa da Fonseca) e de Engenharia (Pedro José Barusco Filho).  Estes documentos registram o compromisso das áreas de Abastecimento e Engenharia em: (i) analisar os aspectos contratuais, especificações de equipamentos e de materiais, e prazos intermediários com o intuito de conseguir reduzir os custos do empreendimento; (ii) estabelecer como meta que o valor do investimento ficasse limitado a US$ 7,949 bilhões, para o cenário da refinaria como empresa S.A. (empresa independente), e a US$ 10,543 bilhões,  para o cenário de unidade de negócio da área de Abastecimento (refinaria integrada ao Sistema do Abastecimento), que eram os valores que tornavam o VPL nulo (sem prejuízo). A diferença entre estes valores (US$ 7,949 bilhões e US$ 10,543 bilhões) é devida ao tratamento diferenciado das questões tributárias, fiscais e de risco para cada um dos cenários.

Posteriormente, tendo sido concluídos os principais processos licitatórios (...)

Veja mais

Uso correto do Arla 32 reduz as emissões de poluentes em até 80%

19.Dez.2014

O desenvolvimento do mercado do Arla 32, agente líquido redutor de emissões de óxidos de nitrogênio (NOx), foi tema de workshop que reuniu executivos do setor, além de técnicos, pesquisadores, advogados e representantes de entidades de classe no Rio na última semana. Em comum, os participantes do evento têm o propósito de consolidar, no mercado nacional, o uso do produto que é obrigatório para veículos movidos a óleo diesel produzidos com a tecnologia do Sistema de Redução Catalítica Seletiva (SCR). As emissões de gases poluentes de um caminhão adulterado para não usar Arla 32 equivalem às emissões de, aproximadamente, cinco caminhões não adulterados. O uso correto do Arla, por sua vez, reduz essas emissões em até 80%.

O Arla 32 atua nos catalisadores do sistema de escapamento dos motores, permitindo a redução da emissão de óxidos de nitrogênio . Em reação com os gases de escape dos veículos, o Arla 32 transforma NOx em vapor d’água e nitrogênio, gases inofensivos para a saúde humana. Seu uso é regulamentado pela Resolução 214, emitida pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) em 28/09/2009.

O engenheiro Tadeu Cordeiro, do nosso Centro de Pesquisas (Cenpes), confirma que os testes realizados comprovam o aumento das emissões em quase cinco vezes com o uso de emuladores, conhecidos como “chips”, que permitem burlar o uso do Arla 32. Representantes do nosso Departamento Jurídico pontuam que a adulteração do Arla 32 pode gerar advertência e multa para usuários e suspensão das atividades para quem comercializa o produto. (...)

Veja mais

Refinaria de Capuava comemora 60 anos de atividade

18.Dez.2014

A Refinaria de Capuava (Recap), nossa unidade de operações em Mauá (Grande São Paulo), completa 60 anos de atividade nesta quinta-feira. A refinaria começou as operações em 18 de dezembro de 1954, inicialmente como empresa privada, sendo incorporada à Petrobras em 3 de junho de 1974. Pela facilidade de obtenção de matérias-primas na região, sua instalação em Mauá atraiu outras indústrias, formando o Pólo Petroquímico do Grande ABC.

Com uma área total de 3,7 milhões de m², a Recap tem capacidade para processar diariamente 53 mil barris/dia de petróleo. Para sua produção, conta com as unidades de destilação atmosférica, de Craqueamento Catalítico Fluido de Resíduo (URFCC), desaromatização de solventes, solventes especiais, tratamento de água, geração de vapor, energia e ar comprimido.

A Recap abastece o Polo Petroquímico do Grande ABC e ainda 30% da região metropolitana de São Paulo. Nos últimos anos, aconteceram dois marcos importantes na história da Recap. Em 2009, a unidade de operações entrou para a história como a primeira refinaria a processar o petróleo extraído da camada do pré-sal da Bacia de Santos. Em 2012, foram implantadas as novas unidades de hidrotratamento de gasolina e óleo diesel e as de tratamento de efluentes hídricos e gasosos. Essas novas unidades permitem a produção de gasolina S-50 (teor de enxofre de até 50 partes por milhão) e de óleo diesel S-10 (teor de enxofre de até 10 partes por milhão) de acordo com as especificações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), contribuindo significativamente para a redução das emissões veiculares. (...)

Veja mais

Contratos com Odebrecht: resposta à Folha

18.Dez.2014

resposta-folha.jpgLeia a resposta que enviamos ao jornal Folha de S. Paulo sobre contratos com empresas do grupo Odebrecht:

PERGUNTA:

Solicito por favor esclarecimentos/comentários sobre um pedido feito à PETROBRAS pela Operação Lava Jato nos autos do inquérito que investiga a Odebrecht (nº 5071379-25.2014.404.7000). O delegado havia pedido, num prazo máximo de 15 dias, que a Petrobras informasse todos os negócios mantidos desde 2005 com as empresas do grupo Odebrecht. No entanto, o prazo acabou e nada foi informado. Posteriormente, o delegado reiterou o pedido, agora com os números de CNPJ das empresas de interesse de investigação.

-Quais os comentários sobre o pedido da PF, quando deve ser atendido pela Petrobras?

RESPOSTA:

A Petrobras informa que prestou hoje, 17/12/2014, as informações solicitadas nos autos do inquérito policial que investiga a Odebrecht. Solicitações como estas têm sido feitas costumeiramente e vêm sendo atendidas pela Companhia. A Petrobras mantém sua postura de efetiva colaboração com as autoridades públicas que estão conduzindo as investigações no âmbito da Operação Lava Jato.

Veja mais

Graça Foster anuncia primeira venda de diesel da Refinaria Abreu e Lima

17.Dez.2014

UDA3.jpgA presidente Maria das Graças Silva Foster anunciou nesta quarta-feira (17/12), durante café da manhã de confraternização de final de ano com jornalistas, na nossa sede, que fizemos a primeira venda comercial de diesel da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), localizada em Pernambuco. Dessa forma, detalhou, recebemos a primeira receita obtida com a unidade. "É uma grande satisfação", avaliou a presidente. O diretor de Abastecimento, José Carlos Cosenza, ressaltou ainda que, com a operação da RNEST, a importação de derivados, principalmente de diesel e de gasolina, deverá ser reduzida em 100 mil barris por dia. O volume disponibilizado pela RNEST para o mercado local é de 13 mil m³ de diesel S-500 (teor de enxofre de 500 partes por milhão). A primeira nota fiscal foi emitida para a Petrobras Distribuidora, com volume de aproximadamente 1.600 m³.

Durante o encontro, a presidente Graça Foster também destacou os bons resultados alcançados com o Programa de Otimização de Custos Operacionais (Procop), que deverá nos proporcionar uma economia de R$ 10 bilhões este ano. O gerente executivo de Desempenho, Mário Jorge da Silva, informou que a redução de custos com o Procop entre janeiro e setembro já chegou a R$ 7,4 bilhões, ultrapassando a meta de R$ 7,3 bilhões estabelecida para todo o ano de 2014. No comparativo com o mesmo período de 2013, quando o Procop resultou em economia de R$ 4,8 bilhões, a redução de custos foi 54% maior. “Esse número já supera a meta do ano. As equipes e os equipamentos têm respondido melhor do que o previsto”, destacou Mário Jorge.

O Programa de Aumento da Eficiência Operacional (Proef) também alcançou excelentes resultados no período entre janeiro e setembro de 2014. Criado para recuperar os índices de produtividade em nossos campos maduros, o Proef permitiu a recuperação de 135 mil barris de petróleo por dia. Um aumento de 156% em relação ao mesmo período de 2013, quando a recuperação foi 53 mil barris por dia. Em setembro, destacou o executivo, a UO-BC (unidade operacional da Bacia de Campos) alcançou a maior produção dos últimos 20 meses (420 mil barris por dia) e a maior eficiência dos últimos 50 meses (82%).

A receita de vendas no período de janeiro a setembro de 2014 foi outro destaque, totalizando R$ 252,2 bilhões. O valor representa um crescimento de 13% em relação ao mesmo período de 2013, quando a receita de vendas foi de R$ 223,9 bilhões. A receita de vendas do terceiro trimestre de 2014 foi de R$ 88,4 bilhões, montante 7% maior que o registrado no trimestre anterior (R$ 82,3 bilhões). (...)

Veja mais

Casco da P-66 chega a Angra dos Reis

17.Dez.2014

P-66-casco.jpgO casco da plataforma P-66 chegou ontem (16/12) ao Estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis (RJ). Há uma semana (8/12), ela deixou o Estaleiro Rio Grande 1 (ERG 1), em Rio Grande (RS), e navegou a distância de quase dois mil quilômetros para chegar ao estaleiro fluminense.

A P-66 é a primeira plataforma da série de oito FPSOs replicantes que estão em construção para atendimento às demandas de produção de petróleo no Brasil. FPSO (Floating Production Storage Offloading Unit) é a sigla em inglês que identifica uma unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de óleo.

É o primeiro casco de um FPSO (navio-plataforma) totalmente construído no país. No Brasfels ocorrerá a instalação dos módulos sobre o casco, integração, interligações e testes dos equipamentos e sistemas. (...)

Veja mais

Petrobras nas Pistas: o universo automotivo em um só ambiente

17.Dez.2014

Lançamos hoje o Petrobras nas Pistas, um ambiente especial voltado para quem adora carros e reconhece até o ronco de cada motor, mas também para as pessoas que não têm tanta intimidade com seu veículo na garagem. A nova página reúne conteúdos variados sobre carros, motos e caminhões. Lá é possível encontrar dicas sobre como aproveitar melhor o lubrificante do seu veículo, tirar dúvidas sobre produtos usados no dia a dia, ler as principais notícias relacionadas ao mundo automobilístico e muito mais.

Um dos destaques do ambiente é a série de vídeos Nas Pistas, em que será possível  acompanhar a viagem do jornalista automotivo Renato Bellote pelas estradas do Brasil atrás de veículos clássicos, motores potentes e muita adrenalina nas pistas. Bellote sabe tudo sobre carros e tem um canal no YouTube (o Garagem do Bellote) com mais de 102 mil inscritos e 15 milhões de visualizações nos seus vídeos. Além de ter Bellote no volante, a série conta com a participação de um dos nossos especialistas, que vai falar sobre o funcionamento de veículos e sobre a tecnologia dos nossos produtos.

Quem navegar pelo novo ambiente também pode sentir a emoção de um game que simula uma competição da Copa Petrobras de Marcas, uma das principais categorias do automobilismo brasileiro, que tem nosso patrocínio. Acesse e fique por dentro desse universo.

Veja mais

Esclarecimento sobre contrato de construção da P-57

16.Dez.2014

Leia, abaixo, esclarecimento que enviamos a alguns veículos da imprensa a respeito da assinatura de contrato de construção da P-57:

Em relação à matéria publicada pelo jornal O Globo em 15/12, intitulada "Como um cheque em branco", a Petrobras esclarece que, ao contrário do que foi informado pelo veículo, o contrato de construção da P-57 (0801.0000032.7.2) foi assinado com seu valor expresso de US$ 1,195 bilhão em 1/2/2008, conforme trecho transcrito abaixo:

9.2  Preço. O Preço Contratual, estipulado no Anexo XVIII deste Contrato compreende a soma dos serviços previstos na Planilha “A”, correspondendo a todos os serviços e trabalho exigidos para entregar toda a FPSO P-57, como descrito nos termos e condições do Anexo II deste Contrato e no Contrato, plenamente funcional e operável, entregue e transferida definitivamente à PNBV, após a emissão do Certificado de Conclusão Final no Ponto de Entrega.

ANEXO XVIII DO CONTRATO, QUE TRAZ O VALOR TOTAL, CONFORME ESTIPULADO NO CLÁUSULA 9.2:

planilha-resposta-jn.pngO contrato ao qual a matéria do Globo se refere é o contrato de prestação de serviço de operação da P-57 (nº 0801.0039420.08.2),  o qual foi igualmente assinado em 1/2/2008, cujo valor é de R$ 114.786.882,00 . No momento da assinatura deste contrato, esse valor estava expresso na proposta comercial e na planilha de preços, que são partes integrantes do contrato. (...)

Veja mais

Indícios de irregularidades: esclarecimento sobre notícias

16.Dez.2014

esclarecimento-imprensa-notebook.jpgLeia o esclarecimento que divulgamos nesta terça-feira (16/12) sobre indícios de irregularidades:

A Petrobras esclarece que, ao contrário do que foi afirmado nas matérias “Diretoria da Petrobras foi alertada de desvios” e “Petrobras não nega que Graça e Cosenza sabiam de irregularidades”, a Presidente Maria das Graças Silva Foster não foi informada sobre as referidas irregularidades pela empregada Venina Velosa Fonseca antes do dia 20/11/2014.

Os e-mails encaminhados em 02/04/2009, 26/08/2011 e 07/10/2011 à então Diretora de Gás e Energia, Maria das Graças Silva Foster, e em 14/02/2012, à Presidente Maria das Graças Silva Foster, empossada em 13/02/2012, não explicitaram irregularidades relacionadas à RNEST, à área de Comunicação do Abastecimento e à área de comercialização de combustível de navio (bunker). Dois meses após a posse da Presidente, em 27/04/2012, o ex-Diretor Paulo Roberto Costa entregou sua carta de demissão.

Os temas supracitados foram apenas levados ao conhecimento da Presidente através de email recente, de 20/11/2014, quando a empregada já havia sido destituída de sua função gerencial. Nesta data, as irregularidades na Comunicação do Abastecimento e na RNEST já haviam sido objeto de averiguação em Comissões Internas de Apuração, bem como as irregularidades da área de comercialização de combustível de navio (bunker) em Grupos de Trabalho. A Presidente respondeu à empregada Venina Velosa Fonseca, no dia 21/11/2014, informando que estava encaminhando o assunto ao Diretor José Carlos Cosenza e ao Jurídico da Petrobras para averiguação e adoção das medidas cabíveis. (...)

Veja mais