Petrobras . Blog Fatos e Dados

home

Blog Fatos e Dados

home

Esclarecimento sobre movimentação patrimonial

20.Ago.2014

Leia nosso esclarecimento divulgado nesta quarta-feira (20/08):

A Petrobras refuta veementemente a informação de que a presidente Graça Foster tenha feito qualquer movimentação patrimonial com o intuito de burlar a decisão do TCU tomada no dia 23 de julho de 2014 que declarou a indisponibilidade de bens de gestores e ex-gestores da companhia.

Vale ressaltar que, na referida  decisão do TCU, a presidente Graça Foster não estava incluída dentre as pessoas nominadas no Acórdão como potenciais responsáveis por supostos danos ao patrimônio da companhia, os quais ainda serão apurados no âmbito de Tomada de Contas Especial, no mesmo Tribunal.

Documentos pessoais da presidente da companhia comprovam que, desde junho de 2013, ela já vinha providenciando a documentação necessária para a lavratura das Escrituras de Doação de Bens Imóveis aos seus filhos com Cláusula de Usufruto. É importante frisar que doações de bens são atos legítimos, previstos em lei e objetivam evitar futuros conflitos entre herdeiros.

Esses procedimentos foram: avaliações dos imóveis, obtenção de certidões, verificação do valor dos custos e tributos incidentes, elaboração das minutas das escrituras e sua posterior formalização, bem como os competentes registros imobiliários, culminando todos esses atos em 20 de março e 9 de abril de 2014.

Veja mais

Somos a empresa brasileira com maior lucro líquido no segundo trimestre de 2014

20.Ago.2014

Somos a empresa brasileira de capital aberto que registrou o maior lucro líquido no segundo trimestre de 2014. O ranking com os dez maiores lucros registrados foi feito pela consultoria Economatica e divulgado esta semana. Nosso lucro no consolidado dos meses de abril, maio e junho de 2014 foi de R$ 5 bilhões. O ranking da Economatica foi elaborado com base nos resultados financeiros apresentados por 362 empresas de capital aberto, de 23 setores da economia, à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Entre os fatores que impactaram positivamente nosso lucro líquido no segundo trimestre de 2014 estão três programas estruturantes do Plano de Negócios e Gestão 2014-2018: o Programa de Otimização de Custos Operacionais (Procop), o Programa de Desinvestimentos (Prodesin) e o Programa de Aumento da Eficiência Operacional (Proef). Os três programas juntos promoveram uma economia de R$ 3,1 bilhões no período de abril a junho. Considerando o primeiro semestre do ano, o lucro líquido foi de R$ 10,3 bilhões. Já o bruto no 1º semestre de 2014 foi de R$ 38,5 bilhões, 2% superior ao 1º semestre de 2013, principalmente devido aos maiores preços de derivados.

Veja mais

Estudo do Ipea indica que pré-sal garantirá demanda à indústria naval brasileira nos próximos 25 anos

20.Ago.2014

Revitalizada ao longo dos últimos 14 anos, com investimentos decisivos que realizamos,  a indústria naval brasileira deve manter o ritmo de crescimento. As encomendas previstas para a exploração de áreas do pré-sal garantem demanda para o setor pelos próximos 25 anos. A constatação faz parte do estudo “Ressurgimento da Indústria Naval no Brasil (2000-2013), elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgado na última semana.

Segundo o estudo, o segmento de petróleo e gás offshore continuará sendo o grande demandante de embarcações nas próximas três décadas. Com base na perspectiva de encomendas de plataformas e embarcações de apoio para áreas do pré-sal, como o Campo de Libra, o estudo calcula uma demanda de pelo menos 544 embarcações a serem produzidas. O montante de recursos estimados é da ordem de R$ 227 bilhões.

Setor forte nas décadas de 60 e 70, a indústria naval brasileira enfrentou uma severa crise nos anos 80 e 90, e quase foi extinta. Esse quadro começou a ser revertido a partir do ano 2000, quando investimentos que fizemos deram início à retomada da indústria naval. Ao longo dos últimos 14 anos o setor apresentou crescimento anual de 19,5%, com investimentos de R$150 bilhões. O número de empregados saltou de 1.900 para 71 mil.

Segundo o Ipea, foram fundamentais no processo de revitalização o Programa de Renovação e Expansão da Frota de Embarcações de Apoio Marítimo (Prorefam), o Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), o Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef) da subsidiária Transpetro, além das encomendas de plataformas de produção e sondas de perfuração.

Veja mais

Contrato com YPFB: resposta ao Brasil Econômico

20.Ago.2014

resposta-geral.jpgLeia o posicionamento que enviamos ao jornal Brasil Econômico sobre acordo que firmamos com a YPFB:

Em 18/08/2014 foram firmados três documentos entre a Petrobras e a YPFB, obtidos por meio de intensa negociação:

- Um acordo que põe fim às divergências contratuais existentes no Acordo de Suprimento de Gás (GSA) e pelo qual, após o encontro de contas de ambas as partes, a Petrobras pagará a YPFB a quantia de US$ 434 milhões;

- Um contrato de fornecimento de gás para a UTE Cuiabá, com término em 31/12/2016;

- Um aditivo ao GSA, ajustando critérios técnicos e comerciais do contrato de fornecimento.

O fornecimento de gás à Usina Termelétrica Cuiabá conta com contrato de fornecimento e logística de transporte próprios e independentes do GSA. O ponto de entrega de San Matias é utilizado para viabilizar o fornecimento à UTE Cuiabá, e compõe a sua logística de entrega. A UTE Cuiabá  vem gerando energia desde abril de 2014,  consumindo diariamente cerca de 2,24 milhões de m³ de gás natural. (...)

Veja mais

Liquigás Distribuidora realiza novo processo seletivo público

20.Ago.2014

liquigas-processo-seletivo.jpgA Liquigás Distribuidora realiza neste segundo semestre o Processo Seletivo Público (PSP 01/2014) para o preenchimento de 50 vagas e a formação de cadastro de reserva em diferentes áreas e polos de trabalho no Brasil. O processo seletivo é voltado aos profissionais com níveis de escolaridade superior, médio, fundamental completo e fundamental incompleto.

Para os cargos de nível superior há 12 vagas, sendo duas nas áreas de Administração e Ciências Contábeis, três para candidatos com formação em Engenharia e sete para profissionais de vendas com formação superior em Administração, Ciências Contábeis, Economia ou Marketing.

Para os candidatos com nível médio foram abertas 27 vagas para os cargos de ajudante de motorista granel, motorista de caminhão granel, oficial de manutenção, técnico de instalações, técnico de segurança do trabalho e técnico químico. (...)

Veja mais

Esclarecimento ao blog Radar Online

19.Ago.2014

Leia o esclarecimento que enviamos ao blog Radar Online:

Em relação ao comentário publicado nesta segunda-feira (18/8), no Blog Radar Online, por Lauro Jardim, a Petrobras reafirma que, conforme previsto no seu Plano de Negócios para o período 2014-2018, sua produção média no Brasil, em 2020, será de 4,2 milhões de barris por dia (bpd). Essa previsão está respaldada pelos 33 novos sistemas de produção que entrarão em operação nos próximos anos. Vale destacar que 19 plataformas já estão contratadas e em processo de construção.

Ainda em 2014, três novas plataformas entrarão em operação, o que garantirá o crescimento programado no seu plano de negócios. São elas a TLWP (plataforma que usa cabos verticais para ancoragem, permitindo que as válvulas de controle de poços fiquem na própria plataforma) P-61, no campo de Papa-Terra; o FPSO (unidade de produção, armazenamento e transferência de óleo) Cidade de Ilhabela, na área de Sapinhoá Norte; e o FPSO Cidade de Mangaratiba, na área de Iracema Sul. Além dessas plataformas que começarão a produzir neste ano, duas outras iniciaram suas operações recentemente – a P-58, no Parque das Baleias; e a P-62, no campo de Roncador.

As unidades que entrarão em produção nos próximos anos, já contratadas e em diferentes estágios de construção, são as seguintes: (...)

Veja mais

Ipea indica que nossos investimentos consolidaram indústria naval

19.Ago.2014

Nossos investimentos foram fundamentais para a retomada da indústria naval brasileira ao longo dos últimos 14 anos. Desde 2000, o setor apresenta crescimento de 19,5% ao ano. O dado faz parte do estudo “Ressurgimento da Indústria Naval no Brasil (2000 – 2013)”, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e apresentado esta semana na Marintec South America – 11ª Navalshore, no Rio de Janeiro. O evento é considerado o principal encontro da indústria naval e offshore da América Latina.

O estudo do Ipea aponta que o ritmo de crescimento verificado e o volume de investimentos na indústria naval - cerca de R$150 bilhões no período de 13 anos - já consolidaram o setor. Dentre os investimentos destacados estão os realizados por três programas que coordenamos: o Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), o Programa de Renovação e Expansão da Frota de Embarcações de Apoio Marítimo (Prorefam) e o Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef), da nossa subsidiária Transpetro. (...)

Veja mais

Somos considerados a empresa ideal por universitários

19.Ago.2014

empresa-universitarios.jpgA pesquisa Empregadores Ideais de 2014, divulgada pela consultoria global Universum, mostra que somos a preferida dos estudantes de Engenharia, Negócios, Saúde, Ciências Naturais e Direito. Lideramos o ranking nestas cinco de sete áreas consultadas na pesquisa.

Trabalhar conosco é o desejo de 42,87% dos 15.973 universitários de Engenharia consultados pela Universum. Segundo os estudantes, nossa principal qualidade como empregadora é o caminho livre para a ascensão profissional. Essa é a nossa característica mais importante para 55% dos entrevistados. Desde que a pesquisa começou a ser feita no Brasil, em 2010, nos mantemos no topo do ranking das 100 empresas preferidas pelos estudantes de Engenharia. (...)

Veja mais

Artigo sobre tecnologia inédita é premiado em Congresso de Gestão

19.Ago.2014

O artigo "Parcerias tecnológicas Universidade–Empresa: um estudo de caso nas redes temáticas da Petrobras" foi um dos cinco premiados no Congresso Nacional de Excelência em Gestão, realizado nos dias 8 e 9 de agosto, no Rio de Janeiro (RJ). O evento foi promovido pela Universidade Federal Fluminense (UFF), em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e a Petrobras.

O artigo, baseado no projeto “atuadores elétricos inteligentes com comunicação sem fio”, iniciado em 2008, faz parte da carteira da rede temática Integração C&T – Indústria no Processo Produtivo Nacional, uma das 50 redes temáticas que capitaneamos, desde 2006, em parceria com instituições de ensino e pesquisa de todo o país. Esse é um projeto piloto pioneiro na nossa área de Refino para desenvolver tecnologias sem fio.

Os atuadores elétricos são responsáveis pelo acionamento de válvulas (abrindo ou fechando) que controlam o fluxo de petróleo e derivados em plantas de processamento ou dutos de escoamento. O desafio era desenvolver um sistema de comunicação sem fio para acionar as válvulas industriais. Essa tecnologia está em fase de avaliação e teste na Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro, na área de recebimento de petróleo cru. A ideia poderá gerar economia com cabeamento e a possibilidade de instalação do equipamento em locais de difícil acesso em refinarias, terminais terrestres e plataformas. (...)

Veja mais

Entenda 10 questões sobre a nossa gasolina

19.Ago.2014

1) A Petrobras tem influência nas alterações de preços dos combustíveis nos postos?

Não. Os preços são livres nas bombas e as distribuidoras de combustível são legalmente impedidas de exercer qualquer influência sobre eles.

Há uma lei federal que impede as distribuidoras de operarem postos. Estes são, em regra, administrados por terceiros, pessoas jurídicas distintas e autônomas, que podem praticar margens variáveis conforme seus planos comerciais, visto que os preços não são tabelados nem estão sob controle governamental. O mercado da gasolina no Brasil hoje é regulamentado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e pela Lei Federal 9.478/97 (Lei do Petróleo). Esta lei flexibilizou o monopólio do setor de petróleo e gás natural, tornando aberto o mercado de combustíveis no país.

2) Quais fatores influenciam no preço da gasolina?

O preço praticado ao consumidor é composto por três parcelas: realização do produtor ou importador, tributos e margens de comercialização. No Brasil, esta margem de comercialização equivale às margens brutas de distribuição e dos postos revendedores de gasolina.

Há múltiplos fatores que fogem da nossa responsabilidade, como carga tributária (municipal, estadual, federal), concorrência com outros postos na mesma região e a estrutura de custos de cada posto (encargos trabalhistas, frete, volume movimentado, margem de lucro etc.). É possível pesquisar sobre o assunto no nosso site (Composição de Preços) e no da ANP (dúvidas sobre preços dos combustíveis).

composicao-precos-bomba.jpg

3) A gasolina brasileira está entre as mais caras do mundo? (...)

Veja mais