Petrobras . Blog Fatos e Dados

home

Blog Fatos e Dados

home

Desafios e ganhos no gerenciamento de reservatórios offshore

22.Jun.2017

antonio-pinto.jpgAs técnicas usadas por nós para extrair o maior volume de petróleo possível de nossos reservatórios foram tema de palestra realizada, nesta quarta-feira (21/6), pelo gerente de Engenharia de Reservatórios, Elevação e Escoamento, Antônio Carlos Capeleiro Pinto. O executivo participou da sessão técnica Reservatórios, presidida por Priscila Moczydlower, também da área de Engenharia de Reservatórios da companhia, na Brasil Offshore, Feira e Conferência Internacional de Petróleo e Gás, em Macaé (RJ). Priscila apresentou o assunto na sessão plenária do evento.

O conjunto de técnicas que nos permite extrair o maior volume possível de petróleo dos nossos reservatórios é chamado de gerenciamento de reservatórios. Essa é uma atividade crítica na indústria de petróleo, pois está ligada diretamente ao aumento da receita proveniente do aproveitamento ótimo do potencial dos campos de petróleo.

O efetivo gerenciamento de reservatório, no entanto, ganha complexidade no ambiente de águas profundas e ultraprofundas, onde estão concentrados os nossos principais projetos. Em campos localizados em terra ou em águas rasas, os custos de intervenção nos poços são menores. Já em projetos de águas ultraprofundas, o custo de deslocar uma sonda para fazer essas intervenções é muito alto e, por isso, a opção mais econômica é realizar tais operações remotamente, a partir da plataforma de produção. Nós, em parceria com nossos fornecedores, desenvolvemos diversas tecnologias para permitir isso e vamos apresentá-las durante o evento.

“Não é razoável comparar a recuperação em jazidas em águas ultraprofundas na costa brasileira com as do Mar do Norte, predominantemente em águas rasas e desenvolvidas através de plataformas fixas, com sonda disponível para intervenções”, afirma Antonio Pinto.

Um dos problemas com os quais a indústria tem de lidar no dia a dia da operação, por exemplo, é o aparecimento de incrustações, que são depósitos orgânicos ou inorgânicos que podem ocorrer no fundo dos poços e comprometer seu potencial de produção. Nesse caso, a técnica adotada é a injeção de produtos químicos de forma remota para evitar a deposição.

Além dessa solução, o painel mostrou outras técnicas que temos usado para um gerenciamento eficaz de nossos reservatórios. Antônio Pinto discorreu sobre o caso bem-sucedido do campo de Marlim, um dos campos gigantes da empresa. Considerado como um campo maduro, em Marlim foi reduzido o declínio natural da produção, a partir do uso de novas técnicas.

Veja algumas das ações que já adotamos e que apresentamos durante o painel:

Sísmica 4D: é uma espécie de fotografia do subsolo marinho tirada em diferentes momentos. Por meio da comparação entre as imagens obtidas – com intervalo de 3 a 5 anos – é possível identificar áreas pelas quais a água injetada no reservatório não passou e, portanto, não deslocou o petróleo contido ali em direção aos poços por onde esse óleo é produzido. As informações obtidas fornecem suporte à decisão de se perfurar um ou mais novos poços para conseguir produzir esse petróleo não deslocado pela água. A técnica foi utilizada com sucesso em Marlim, produzindo excelentes resultados.

Traçadores: são marcadores químicos injetados no reservatório que permitem que se identifique de que áreas está vindo o óleo produzido, permitindo que se faça uma calibração do modelo de escoamento do petróleo que está contido dentro do reservatório, subsidiando as atividades de gerenciamento de reservatório, como por exemplo o rateio das vazões de injeção entre os poços.

Perfilagem de produção: é uma espécie de eletrocardiograma do poço, realizada por ferramentas conhecidas como perfis elétricos, introduzidas no poço a partir de uma sonda.  A corrida deste perfil permite interpretar as condições de saturações de fluidos. A primeira perfilagem, realizada no final da perfuração do poço, identifica as condições originais dos fluidos ao longo de toda a espessura do reservatório. Perfilagens periódicas, durante o período de produção, permitem verificar áreas do poço em que está havendo produção de água excessiva e reduzir essa produção através do isolamento desses intervalos.

Completação inteligente: utilizada com sucesso e de forma intensiva nos campos do pré-sal, a tecnologia permite monitorar remotamente e em tempo real os dados de produção ou injeção, pressão e temperatura de vários intervalos do reservatório. A completação inteligente elimina ainda, durante a vida produtiva dos poços, a necessidade de intervenção com sondas marítimas para realizar isolamento total ou parcial de intervalos com elevada produção de água ou gás. O uso de completação inteligente no pré-sal foi uma das dez tecnologias que levaram à companhia a receber, em 2015, o prêmio OTC Distinguished Achievement Award for Companies, Organizations, and Institutions, reconhecimento mais importante que uma empresa de petróleo pode receber na qualidade de operadora offshore.

Injeção alternada de água e gás: método eficaz de gerenciamento de reservatório que, por meio da injeção de água e gás na rocha em diferentes momentos, permite a manutenção da pressão e, consequentemente a melhor recuperação do petróleo contido nela. Vem sendo utilizada com bons resultados nos reservatórios do pré-sal da Bacia de Santos.

Mais resultados em Marlim

priscila-offshore.jpgPriscila apresentou os métodos implementados pela companhia no aumento do fator de recuperação de campos maduros offshore. Ela citou o uso de operações remotas e afirmou que é imprescindível que haja uma integração multidisciplinar para otimizar custos, discutir novas soluções e tornar viáveis alguns projetos. “O aumento do fator de recuperação não é uma tarefa exclusiva do profissional de reservatórios. Ela é uma tarefa do E&P como um todo, pois envolve todas as disciplinas, como poços, engenharia submarina, topside, elevação e escoamento”, disse.

As técnicas implementadas em Marlim, na Bacia de Campos, foram apresentadas como responsáveis pelos bons resultados obtidos no aumento do fator de recuperação no campo. Segundo ela, para reduzir o declínio natural de produção de Marlim, a companhia utilizou técnicas como Sísmica 4D, manutenção de pressão e injeção de água.

A engenheira também falou da aplicação da Sísmica 4D em outros campos, associando seus resultados a um software desenvolvido exclusivamente para a empresa, com o qual é possível mapear os pontos com maior potencial para perfuração de novos poços. “Tudo isso tem dado confiança à empresa para ir gradualmente aumentando o fator de recuperação de campos”, informou Priscila.

A conferência contou também com representantes das empresas Halliburton e Schlumberger. Os especialistas discutiram as necessidades e as soluções inovadoras de métodos para otimização do plano de explotação, aumento do fator de recuperação, bem como propostas para redução de custos e aumento da eficiência na perfuração, completação e restauração de poços, visando a estender a vida útil dos campos.

Leia também:

Recebemos homenagem da Brasil Offshore pelos 40 anos da Bacia de Campos

Nossas tecnologias pioneiras empregadas em Libra estão na OTC 2017

Navegue pelo infográfico que mostra os tipos de plataformas que operamos no mar

 

*Fotos: Jussara Peruzzi

Postado em: [Atividades, Tecnologia e Inovação]